Quais os perigos do energético?

Apesar dos alertas da Organização Mundial de Saúde (OMS) e de entidades médicas do mundo inteiro sobre os perigos dos energéticos, o consumo desta bebida ainda é muito alto entre os jovens. Para se ter uma ideia, os brasileiros consumiram aproximadamente 67 milhões de litros de bebidas energéticas, na pesquisa realizada no ano de 2017. Esses dados são da Euromonitor International, em estudo publicado este ano.

Segundo o Instituto Nacional de Cardiologia (INC), vinculado ao Ministério da Saúde, os energéticos são ricos em cafeína, que é um estimulante do sistema nervoso. Ainda de acordo com o INC, as pessoas não costumam ler os rótulos e, se não tivesse qualquer tipo de perigo, não teriam advertências nas embalagens dos produtos. O risco maior está na dose, principalmente para quem tem sensibilidade à cafeína ou predisposição às arritmias ou faz parte do grupo citado nas embalagens (crianças, idosos, nutrizes, grávidas, com problemas de saúde). A cafeína pode estimular o aumento da pressão arterial e dos batimentos cardíacos. Por isso, pacientes cardíacos, hipertensos e renais não devem usar estas substâncias.

Energéticos: consumo exagerado pode causar problemas de saúde | Band

                          Uso de energéticos pode levar a sérios problemas de saúde

Embora os energéticos garantam um boom de energia, ele possui uma grande quantidade de cafeína, açúcar e outros ingredientes que podem levar a sérios efeitos colaterais como insônia, aceleração ou irregularidade dos batimentos cardíacos, irritabilidade, agitação etc.

Geralmente, essas bebidas apresentam doses muito grandes de cafeína, cerca de três vezes mais do que uma xícara de café, além de outras substâncias estimulantes, como guaraná, açaí, taurina, ginseng, arnitine, creatina, inositol, ginkgo biloba e outros com efeito estimulante, que em excesso também podem causar problemas para a saúde.

De acordo com a OMS, há dois problemas no consumo excessivo de cafeína. Ela afeta diretamente o sistema nervoso central e pode levar à desidratação e perda de nutrientes solúveis em água que tem efeito calmante no sistema nervoso. Esse efeito combinado pode causar agitação, problemas de sono e potencialmente leva ao desenvolvimento de ansiedade crônica.

Na Inglaterra, o governo lançou uma consulta pública no mês passado com objetivo de proibir a venda de energéticos para crianças e adolescentes. Segundo comunicado da primeira-ministra britânica, Theresa May, para a imprensa internacional é dever do Estado proteger os jovens dos produtos que afetam a saúde e a educação

Mistura com bebida alcoólica

Quando a bebida energética é misturada a álcool pode gerar ainda mais efeitos colaterais. Por isso, alguns estados norte-americanos, incluindo Nova York, proibiram esse tipo de combinação, mesmo assim muitas pessoas continuam a usar os energéticos em drinks. A combinação de cafeína e álcool pode causar efeitos adversos, uma vez que a cafeína aumenta a absorção do álcool aumentando o risco de intoxicação.

Com informações do Instituto Nacional de Cardiologia

×